Como a tecnologia blockchain poderá mudar o mundo financeiro?

Esta pergunta foi feita por todos os laboratórios de pesquisa futuristas em muitos dos maiores bancos, bancos centrais, instituições financeiras, think tanks, empresas de consultoria e comitês do governo em todo o mundo.

O R3CEV, um esforço do consórcio financiado por alguns dos maiores bancos do mundo, está ocupado tentando responder a essa pergunta. A Goldman Sachs, a McKinsey Consulting e a Pesquisa de Consumidores escreveram excelentes relatórios sobre essa questão. O governo do Reino Unido, o Senado dos EUA, o Canadá, a Austrália e a UE fizeram todas as investigações nesta linha.

Muitas startups também produzem white papers sobre sua inovação ou uso de tecnologia blockchain, e geralmente incluem a questão social mais ampla: “Como isso vai mudar as coisas?”

Grande parte desta pesquisa destaca quatro grandes áreas de mudança:

Infraestrutura para transações transfronteiriças

A revolução digital transformou totalmente a mídia, como todos sabemos. Isso teve um efeito no setor financeiro também. Claro, instituições financeiras usam computadores. Eles usaram para bancos de dados nas décadas de 1970 e 1980, fizeram páginas na década de 1990 e migraram para aplicativos móveis no novo milênio.

Mas a revolução digital ainda não revolucionou as transações internacionais. A Western Union continua sendo um grande nome, executando praticamente o mesmo negócio que sempre teve. Os bancos continuam a usar uma infraestrutura complexa para transações simples, como enviar dinheiro para o exterior.

O seguinte infográfico, preparado por Richard Gendal Brown, mostra a infra-estrutura e os intermediários no sistema bancário transfronteiriço que estão em vigor desde os anos 70.

Essa arquitetura é o resultado do setor financeiro usando bancos de dados privados altamente seguros. A digitalização fez com que nós simplesmente classificássemos informações em bancos de dados privados muito mais rapidamente.

A tecnologia Blockchain permite que as instituições financeiras criem links diretos entre si, evitando os correspondentes bancários. O principal produto da R3 até o momento, o Corda, visa o banco correspondente. Corda é um jogo de palavras que incorpora ‘acordo’ (concordância) e ‘cordão’ (a linha mais reta entre dois pontos em um círculo).

No caso de Corda, o círculo é formado por bancos que usariam um livro-razão compartilhado para transações, contratos e documentos importantes.

Brown costumava trabalhar nos produtos blockchain da IBM, mas desde então mudou-se para trabalhar no R3CEV.

Instituições financeiras concorrentes poderiam usar esse banco de dados comum para acompanhar a execução, compensação e liquidação de transações sem a necessidade de envolver qualquer banco de dados central ou sistema de gerenciamento. Em suma, os bancos serão capazes de formalizar e assegurar relacionamentos digitais entre si de maneiras que não poderiam antes.

Na representação acima, isso significa que os acordos bancários correspondentes e o SLBTR poderiam ser ambos de curto prazo.

As transações podem ocorrer diretamente entre duas partes em uma base P2P sem atrito. O Ripple, um blockchain autorizado, é construído para resolver muitos desses problemas.

Ativos digitais como classe

Bitcoin criou algo único: propriedade digital.

Antes do bitcoin, ‘digital’ não era sinônimo de escassez. Qualquer coisa digital pode ser copiada com o clique de um botão. Uma rápida olhada na indústria da música e nas vendas de álbuns conta essa história de forma convincente.

Mas o bitcoin fez algo novo: criou um código digital não copiável.

Então, pela primeira vez desde que os bits e bytes foram inventados, havia uma maneira de possuir algo digital que não podia ser copiado. Isso deu o valor do código digital. Até hoje, o valor do bitcoin é baseado na capacidade de sua blockchain para evitar gastos duplicados e a criação de moedas falsificadas.

Com isso em mente, os desenvolvedores de bitcoin foram pioneiros em moedas coloridas que podem atuar como ações de uma empresa. A “cor” da moeda representa informações sobre quais direitos de propriedade a chave criptográfica privada fornece.

Depois de receber a permissão da SEC, a gigante do varejo online Overstock anunciou que iria emitir ações públicas de ações da empresa em sua plataforma tØ blockchain. Também vimos o advento das ‘ofertas iniciais de moeda’ (ICOs) e ‘appcoins’ (criptomoedas nativas de um aplicativo que ajudam a financiar o desenvolvimento do projeto).

Esses exemplos são apenas parte da história de blockchains em ativos digitais. Eles podem ser o ativo, mas blockchains também podem ser usados ​​para executar o próprio mercado.

Basicamente, esses esforços estão tratando os ativos digitais como um instrumento de suporte, que é uma aplicação ampla e hábil.

Governança e Mercados

Essa capacidade, no entanto, vai além de apenas registrar transações. A Nasdaq, por exemplo, foi uma das primeiras a construir uma plataforma que permitia a empresas privadas emitir e negociar ações usando um blockchain.

Outros desenvolvedores estão codificando instrumentos financeiros que podem ser pré-programados para realizar ações corporativas e lógica de negócios.

Em 2016, um projeto de blockchain chamado The DAO, rodando no blockchain ethereum, foi lançado com o objetivo de emular um mercado de crowdfunding. Sua porcentagem de contribuição para o fundo representou a porcentagem de votos em como o fundo total seria gasto.

Relatórios regulamentares e conformidade

Os blockchains podem servir como um sistema de registro totalmente transparente e acessível para os reguladores. O código também pode ser codificado para autorizar transações que estejam em conformidade com os relatórios regulamentares.

Por exemplo, os bancos têm obrigações severas de apresentação de relatórios para órgãos como o FinCEN. Sempre que autorizam uma transação de mais de US $ 10.000, eles devem relatar as informações para o FinCEN, que as armazena para uso como um banco de dados contra lavagem de dinheiro.

Compensação e Liquidação

Com o comércio mundial de papel, o prazo para compensação e liquidação de uma transação é geralmente chamado de ‘T + 3’ – ou seja, três dias após a negociação (T), a transação é liquidada.

Com a tecnologia blockchain, todo o ciclo de vida de uma negociação – execução, compensação e liquidação – ocorre na fase de negociação. Com um ativo digital, o comércio é a liquidação e as chaves criptográficas e a propriedade digital que eles controlam podem reduzir a latência pós-negociação e o risco de contraparte.

Contabilidade e auditoria

Enquanto a maioria dos bancos de dados são instantâneos de um momento, os bancos de dados de blockchain são criados a partir de seu próprio histórico de transações. Eles são um banco de dados com contexto, uma história de si mesmo, um sistema autônomo de registro.

As implicações para auditoria e contabilidade são profundas.